Crime

Armas de Fogo e Vitimização
Conglomerados de homicídios e o tráfico de drogas em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, de 1995 a 1999
Crime e Estratégias de Policiamento em Espaços Urbanos
Crimes, vítimas e policiais
Ecologia social do medo: avaliando a associação entre contexto de bairro e medo de crime
Efeito contextual de bairros e incidência de homicídios
Gang de jeunes et groupes armés dans la Région Métropolitaine de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brésil
Mapa das Mortes Violentas: Uma perspectiva comparada na América Latina
Recent books on crime and police in Brazil
Social Disorganization and Crime: Searching for the Determinants of Crime at Community Level
Some Current Developments in Brazilian Sociology of Crime: Towards a Criminology?

 


 

Armas de Fogo e Vitimização

Autores: Claudio Beato F.; Valéria Oliveira

Resumo: Existe hoje no Brasil um intenso debate acerca do papel das armas como instrumentos de defesa dos cidadãos. Os autores buscaram avaliar se ter ou não uma arma em casa está associada à chance de se tornar vítima de diferentes tipos de crimes. A pergunta é legítima, mas deve ser respondida à luz de argumentos empíricos. Nós utilizamos os dados da I Pesquisa Nacional de Vitimização (2010-2012) para tentar lançar luz à questão. Trata-se de pesquisa de vitimização realizada pela Secretaria Nacional de Segurança Pública (SENASP), Instituto Datafolha e pelo Centro de Estudos de Criminalidade e Segurança Pública (CRISP/UFMG). O survey contou com 78 mil questionários, onde são levantadas questões relacionadas à vitimização por diferentes tipos de crimes, características sociodemográficas, atividades rotineiras e percepção sobre as instituições de segurança pública. A existência de armas no domicílio do entre vistado foi uma das questões e, para este exercício, modelos de regressão logística binária foram desenvolvidos como esforço de subsidiar a discussão sobre o acesso às armas como estratégia de proteção contra crimes.

Palavras-chave: Vitimização; Crimes; Armas.

Veja o Artigo

 

Voltar ao topo.

 


 

Conglomerados de homicídios e o tráfico
de drogas em Belo Horizonte, Minas Gerais,
Brasil, de 1995 a 1999

Autores: Cláudio Chaves Beato Filho; Renato Martins Assunção; Bráulio Figueiredo Alves da Silva; Frederico Couto Marinho; Ilka Afonso Reis; Maria Cristina de Mattos Almeida.

Periódico: Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 17(5):1163-1171, set-out, 2001.

Resumo: Neste trabalho, apresentamos uma análise espacial dos homicídios ocorridos em Belo Horizonte e registrados pela Polícia Militar de Minas Gerais durante o período de 1995 até 1999. Utilizamos o programa SaTScan para identificar os conglomerados de risco de mortalidade mais elevado. Considerando todas as regiões da cidade de Belo Horizonte, apenas dez apresentam um risco maior de homicídios, quase todas concentradas em favelas. Como existem 85 favelas ao todo, concluímos que não são as condições sócio-econômicas per se as responsáveis pelos conglomerados de homicídios, mas o fato dessas regiões serem assoladas pelo trafico e violência associada ao comércio de drogas.

Palavras-Chave: Análise espacial; Análise por conglomerados; Homicídios; Violência.

Veja o Artigo

 

Voltar ao topo

 


 

Crime e Estratégias de Policiamento em Espaços Urbanos

Autores: Claudio Beato; Bráulio Figueiredo Alves da Silva; Ricardo Tavares.

Periódico: DADOS – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, Vol. 51, no 3, 2008, pp. 687 a 717.

Resumo: A agenda de prioridades brasileira para a segurança pública, nos últimos anos, tem circulado em torno da confluência de três grandes temas: 1) criminalidade urbana violenta, em todas as implicações em termos de desagregação e desordem social; 2) espaço urbano, em seus aspectos de exclusão, marginalidade e desorganização; 3) polícia, protagonista de múltiplas crises e provavelmente um dos atores mais freqüentes em todas as áreas do espaço urbano.

Palavras-chave: Criminalidade; Espaços urbanos; Segurança pública.

Veja o Artigo

 

Voltar ao topo

 


 

Crimes, vítimas e policiais

Autores: Antônio Luiz Paixão (in memorian); Claudio C. Beato F.

Periódico: Tempo Social; Rev. Sociol. USP, S. Paulo, 9(1): 233-248, maio de 1997.

Resumo: Com base nos dados de vitimização levantados pela PNAD 88, os autores analisam as relações entre polícia e sociedade, através de discussão dos motivos que levam as pessoas a procurarem ou não a polícia. Em contraposição a uma explicação de natureza “culturalista”, é sugerida a hipótese de que existem motivações racionais para se acionar a polícia para a resolução de conflitos.

Palavras-chave: Vitimização; Polícia; Sociedade; Conflitos.

Veja o Artigo

 

Voltar ao topo

 


 

Ecologia social do medo: avaliando a associação entre contexto de bairro e medo de crime

Autores: Bráulio Figueiredo Alves da Silva; Claudio Chaves Beato Filho.

Periódico: Rev. bras. estud. popul. vol.30 supl.0 São Paulo, 2013.

Resumo: A associação entre características estruturais de vizinhanças e indicadores de crime e desordem tem recebido uma crescente atenção da criminologia nos últimos anos. Recentemente, os estudos têm enfatizado a relação entre as características contextuais das vizinhanças e o medo de crime. Neste artigo, em que o medo do crime é definido como uma reação emocional negativa devido à criminalidade, procurou-se incorporar às características individuais elementos relativos ao contexto da vizinhança na busca por evidências empíricas acerca da sua "ecologia social". Um modelo estatístico de regressão multinível foi elaborado a partir do survey de Vitimização realizado pelo Centro de Estudos de Criminalidade e Segurança Pública – Crisp/UFMG. Foi encontrada associação positiva entre as mulheres e os mais velhos com medo de crime, enquanto a estabilidade residencial tem efeito inverso. No nível da vizinhança, o principal resultado foi que a coesão social afeta a associação entre a taxa de criminalidade e o medo do crime.

Palavras-chave: Medo do crime; Crime; Vizinhança; Vitimização; Eficácia coletiva.

Veja o Artigo

 

Voltar ao topo

 


 

Efeito contextual de bairros e incidência de homicídios

Veja o Slide

 

Voltar ao topo

 


 

Gang de jeunes et groupes armés dans la Région Métropolitaine de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brésil

Autores: Claudio Beato e Felipe Zilli.

Periódico:  Sociétés et Jeunesses en Difficulté, v. 15, p. 1-31, 2015.

Resumo: This article dialogue with sociological studies about the involvement of youth in dynamics of violence and crime in poor neighborhoods and suburbs of major urban centers. It presents the main results of an empirical research about youth gangs and armed groups operating in the slums of the metropolitan region of Belo Horizonte (RMBH), capital of the state of Minas Gerais, Brazil. From a theoretical point of view, we adopt the assumption that, in Brazil, the emergence of youth gangs and its involvement with crime dynamics in the favelas must be understood according to the relationship that these groups have with the context of profound socio-spatial exclusion and institutional violence that characterizes the life of large segments of the youth population in Brazil, in recent decades. In this sense, this paper describes not only how gangs and armed groups is structured in the slums of the metropolitan center of Belo Horizonte, but also the characteristics of its violence.

To promote such discussion, the article presents data from a study conducted between 2009 and 2011 from three sources : 1. in-depth interviews with 40 adolescents undergoing rehabilitative measure, because their involvement in crimes such as homicide or drug trafficking ; 2. official records on violent crime in cities of the metropolitan area of Belo Horizonte ; 3. A database from the intelligence services of the police as well as studies led by the Minas Gerais police, about the action of gangs and armed groups in RMBH.

Palavras-chave: Gangs and armed groups, Youth violence, Crime, Favelas

Veja o Artigo

 

Voltar ao topo

 


 

Mapa das Mortes Violentas: Uma perspectiva comparada na América Latina

Autores: Claudio Beato; Andréa Maria Silveira.

Periódico: Ciência Hoje, v. 51, p. 30-33, 2013.

Veja o Site

 

Voltar ao topo

 


 

Recent books on crime and police in Brazil

Autoras: Ludmila Ribeiro; Roberta M. Correa.

Periódico: Police Practice and Research, v. 14, p. 338-346, 2013.

Resumo: In this review, authors Ludmila Mendonça Lopes Ribeiro and Roberta Correa examine a few of the key publications on crime and law enforcement in Brazil that have appeared in the past few years. The publications illustrate how the field has structured itself in Brazil. They identify pioneering studies and how the directions these took shape in the studies area today, as expressed in the current literature. One of these volumes is a compendium of interviews with the so-called ‘founding fathers’ of criminology in Brazil; the others are anthologies that reflect the work of research groups that have sprung around them. The anthology organized by Machado da Silva centers on the concept of violent sociability and its importance for understanding crime and the relations between the police and citizens at the margins of Brazilian society. The second volume, Roberto Kant de Lima’s anthology, stresses that crime is managed via a mosaic of assembled truths, and contends that the apparatus of law enforcement and the criminal justice system aim to reinforce Brazilian society’s characteristic inequality.

Palavras-chave: Crime, Policing, Pyblic security, Sociology of crime, Brazil.

Veja o Artigo

 

Voltar ao topo

 


 

Social Disorganization and Crime: Searching for the Determinants of Crime at Community Level

Autor: Bráulio Figueiredo Alves da Silva.

Periódico: Latin American Research Review , v. 49, p. 218-230, 2014.

Resumo: Robert J. Sampson and W. Byron Groves (1989) analyzed data from 238 British neighborhoods to test the mediating effect of indicators of social disorganization. Basing their work on that of Clifford R. Shaw and Henry D. McKay (1942), these researchers created indicators such as friendship networks, organizational participation, and the control of street-corner teenaged peer groups, and developed a theory of community level. In this article, we apply the formal logic of Sampson and Groves using data from the fi rst Belo Horizonte victimization survey. In addition, we use data from the 2000 Brazilian Census and the Military Police. The results support the social disorganization theory and demonstrate that crime-rate differences are an effect of community level.

Palavras-chave: Social disorganization; Control; Belo Horizonte.

Veja o Artigo

 

Voltar ao topo

 


 

Some Current Developments in Brazilian Sociology of Crime: Towards a Criminology?

Autores: Ludmila Ribeiro; Renan Springer.

Periódico: International Journal of Criminology and Sociology, v. 3, p. 175-185, 2014.

Resumo: This paper discusses the directions taken by sociology of crime in Brazil ever since its appearance, in the dawn of the 1970s, as well as the factors that prevented the development of a true criminology in the country, similar to that already found in North America. It is herein argued that while, on the one hand, Brazilian sociology was indeed able to develop an agenda of research on the processes that account for the criminalization of poorer segments of the population, on the other hand, for not having paid due attention to an entire consolidated body of knowledge available in order countries, it failed to explain rises and declines in criminality rates, and likewise failed to prescribe effective related public policies.

Palavras-chave: Sociology of crime, Criminology, Brazilian sociology.

Veja o Artigo

 

Voltar ao topo